O presidente da Ucrânia, Volodímir Zelenski , falou no dia 24 de fevereiro sobre a invasão da Rússia a este país europeu que hoje completa um ano e ainda não parou.

Por meio de sua conta no Twitter, o presidente escreveu: “Em 24 de fevereiro, milhões de nós fizemos uma eleição. Não uma bandeira branca, mas a azul e amarela. Não fugindo, mas enfrentando. Resista e lute . “

“Foi um ano de dor, tristeza, fé e união. E este ano, permanecemos invencíveis. Sabemos que 2023 será o ano da nossa vitória! ”, complementou.

Mais tarde, ele se dirigiu ao país em um discurso à nação por ocasião do primeiro aniversário do início da invasão russa da Ucrânia, dizendo: “Faremos tudo o que pudermos para vencer este ano.”

“Somos fortes. Estamos preparados para tudo. Vamos derrotar o mundo inteiro. Porque somos a Ucrânia”, disse ele em um vídeo publicado nas redes sociais.

Zelensky garantiu que “todo ucraniano perdeu alguém próximo” desde a invasão e que a Ucrânia não vai parar até que os russos “sejam punidos”.

” Nunca o perdoaremos. Nunca descansaremos até que os assassinos russos sejam punidos. Pela corte internacional, pelo julgamento de Deus ou por nossos soldados”, acrescentou.

Zelensky afirmou ainda que as cidades de Bucha, Irpin, Kherson e Mariupol, entre outras, palco de atrocidades atribuídas aos russos ou símbolos da ocupação ou da resistência do exército ucraniano, são as “capitais da invencibilidade” ucranianas.

“Cidades de heróis. As capitais da invencibilidade “, disse ele em discurso nas redes sociais por ocasião do primeiro aniversário da invasão russa.

Desde o início da invasão russa, a Ucrânia “inspirou” e “uniu” o mundo, acrescentou.

“A Ucrânia surpreendeu o mundo. A Ucrânia inspirou o mundo. A Ucrânia uniu o mundo. Existem milhares de palavras para provar isso”, enfatizou.

Logo depois, o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, disse no Facebook que a Ucrânia está preparando uma contra-ofensiva contra o exército russo.

“Vamos atacar com mais força e de distâncias maiores, no ar, na terra, no mar e no ciberespaço. Lá estará nossa contra-ofensiva. Estamos trabalhando duro para prepará-la “, disse Reznikov.

Por seu turno, o ex-presidente e número dois do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitri Medvedev, garantiu que a Rússia está disposta a ir “até às fronteiras da Polônia” para garantir a vitória na ofensiva contra a Ucrânia. *Com informações AFP e NTN24

Publicidade