O Congresso do Peru rejeitou nesta sexta-feira (16) o projeto que buscava antecipar as eleições gerais após a demissão do agora ex-presidente Pedro Castillo.

Tratando-se de uma reforma constitucional, a sua aprovação esteve sujeita a 87 votos, mas obteve apenas 49 votos a favor, 33 contra e 25 abstenções.

Com a proposta, esperava-se antecipar as eleições, que serão realizadas em abril de 2026, para dezembro de 2023.

Além de buscar esclarecimentos na esfera política, o plenário unicameral esperava acalmar os violentos protestos que já deixaram pelo menos 18 mortos.

Agora, a violência nas ruas, motivada pela decisão da Corte Suprema de Instrução Preparatória do Supremo Tribunal do Peru de estender a detenção do ex-presidente por 18 meses , preocupa as autoridades.

Nem  Pedro Castillo  nem seus advogados compareceram nesta quinta-feira à audiência em que foi discutido o pedido do Ministério Público.  

Durante a leitura do pedido de prisão preventiva contra  Pedro Castillo Terrones  e Aníbal Torres Vásquez pelos crimes de rebelião e outros, a Justiça peruana anunciou a decisão de estender a prisão do ex-presidente por mais 18 meses.  

“Considero que é uma soma razoável”, disse o Tribunal. 

Esse revés do esquerdista dividiu completamente o país e deixou números escandalosos por parte dos manifestantes que pedem sua libertação.

Diante do aumento do número de mortos nos protestos, a presidente Dina Boluarte expressou suas condolências às famílias dos falecidos.  *NTN24

Publicidade