Loja portuguesa premiada como “melhor mercearia estrangeira de França”

É no topo da Rue des Martyres, em pleno bairro histórico de Montmartre, perto da catedral do Sacré Cœur e de algumas das principais salas de concertos da capital francesa, que se encontra um canto tradicional de sabores portugueses. Chama-se «Paris-Porto» e é a Melhor Mercearia Estrangeira de França, de acordo com o Prêmio Epicures 2022.

Criada há quase cinco anos, a «Paris-Porto» é gerida pela franco-portuguesa Kelly Neves que abriu, com a irmã, uma mercearia 100% portuguesa para descobrir ou redescobrir um país que também é “gourmet”.

Nas estantes, a imitarem as lojas antigas, há vinhos, licores, café, mel, azeite, guloseimas, livros e até joalharia. Aqui, pode-se “levar” um pedaço de Portugal para casa ou “tomar um café e comer um pastel de nata e matar saudades”, conta Kelly Neves. Em Junho, a jovem franco-portuguesa foi receber o prémio de melhor mercearia estrangeira de França durante a atribuição dos “Prix des Epicures de l’Epicerie fine 2022 », em Paris.

Para ela, o prémio “representa muita coisa, é um reconhecimento”. “É o maior reconhecimento que a gente pode ter porque é um júri exclusivamente francês, só com pessoas da alta gastronomia francesa”, descreve.

Depois de ter feito Erasmus em Lisboa, uma licenciatura em Línguas Estrangeiras Aplicadas Espanhol/Português e um mestrado na Sorbonne, no qual também estudou campanhas de marketing do “Made in Portugal”, Kelly Neves decidiu aplicar os seus conhecimentos na sua própria mercearia. “Decidi construir um cantinho que era meu com a minha selecção de produtos de norte a sul de Portugal e ter uma mercearia autêntica”, recorda.

Da selecção fazem parte marcas históricas, mas também nomes anónimos de produtores locais, como os doces de Braga que são feitos por uma vizinha. “O que nós queríamos era dar a conhecer pequenos produtores que ninguém conhece ainda, ajudar a produção nacional lá e ser a montra deles aqui em Paris“.

Além dos vinhos, licores, cerveja, queijos, pastéis de nata, há também guloseimas que remetem para marcas da infância portuguesa. “O objectivo é chegar aqui e viajar. As pessoas que passam aqui à porta vêm as ‘gorilas’, os ‘sugus’, as ‘pintarolas’ e pensam logo na infância e nas recordações de férias que têm de Portugal“, conta Kelly Neves.

Quando as pessoas entram aqui, sentem-se em Portugal. É mesmo o que nós queríamos, era ter um espaço típico, autêntico, faz parte do projecto. Montmartre é um bairro antigo, um dos bairros mais famosos, e a loja está entre Montmartre e Portugal. Conseguimos ter uma mercearia autêntica portuguesa aqui em Montmartre”, acrescenta.

Quanto à clientela, há os que residem no bairro, mas há também muitos turistas e portugueses (de Paris ou de passagem). “Vêm aqui tomar um café, comer um pastel de nata e matar as saudades”, conclui Kelly Neves. O pastel de nata é provavelmente a “madalena de Proust” dos portugueses e a pista para encontrar um tempo perdido que, hoje, volta a estar na moda. *RFI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: