Inflação na zona do euro atinge recorde de 8,9%, apesar do crescimento acima do esperado

A inflação nos países europeus que usam o euro disparou para outro recorde em julho, impulsionada pelos preços mais altos da energia alimentados pela guerra da Rússia na Ucrânia, mas a economia ainda conseguiu um crescimento melhor do que o esperado, embora escasso, no segundo trimestre.

A inflação anual nos 19 países da zona do euro subiu para 8,9% em julho, um aumento de 8,6% em junho, segundo números publicados nesta sexta-feira (29) pela agência de estatísticas da União Europeia .

Há meses, a inflação está em seus níveis mais altos desde 1997, quando começou a manutenção de recordes para o euro, levando o Banco Central Europeu a aumentar as taxas de juros na semana passada pela primeira vez em 11 anos e sinalizar outro impulso em setembro.

Os preços da energia subiram 39,7% em julho, apenas ligeiramente abaixo do mês anterior devido a preocupações com o fornecimento de gás. Os preços de alimentos, álcool e tabaco subiram 9,8%, mais rápido do que o aumento registrado no mês passado devido a custos de transporte mais altos, escassez e incerteza em torno da oferta ucraniana.

“Outra leitura feia da inflação para julho”, disse Bert Colijn, economista sênior da zona do euro do banco ING, acrescentando que não havia “nenhum sinal iminente de alívio”.

A economia da zona do euro, por sua vez, cresceu de abril a junho, crescendo 0,7% em relação ao trimestre anterior, apesar da estagnação na Alemanha, o motor econômico tradicional da Europa. A França evitou os temores de uma recessão ao registrar um crescimento modesto de 0,5%, enquanto a Itália e a Espanha superaram as expectativas com expansões de 1% e 1,1%, respectivamente.

Economistas apontaram para a recuperação do turismo após a pandemia de COVID-19, com aeroportos e companhias aéreas com falta de funcionários neste verão, levando ao caos nas viagens.

Com a inflação continuando a subir mais do que o esperado, os analistas esperam que o crescimento econômico seja o último vislumbre de boas notícias, com inflação, taxas de juros crescentes e o agravamento da crise de energia que devem levar a região à recessão ainda este ano.

“Isso provavelmente será tão bom quanto será para a zona do euro no futuro próximo”, escreveu Andrew Kenningham, economista-chefe da Europa para a Capital Economics, em nota de analista.

O crescimento da Europa contrasta com o dos Estados Unidos, cuja economia se contraiu por dois trimestres consecutivos, aumentando os temores de uma recessão com inflação em máximas de 40 anos. Mas o mercado de trabalho está ainda mais forte do que antes da pandemia do COVID-19, e a maioria dos economistas, incluindo o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que não acha que a economia esteja em recessão.

Muitos, no entanto, esperam cada vez mais que uma desaceleração econômica nos EUA comece no final deste ano ou no próximo, assim como na Europa.

O risco da Europa está em grande parte ligado à sua dependência da energia russa, com Moscou estrangulando os fluxos de gás natural que abastecem fábricas, geram eletricidade e aquecem casas no inverno.

Mais reduções esta semana através de um grande oleoduto para a Alemanha, Nord Stream 1, aumentaram os temores de que o Kremlin possa cortar completamente o fornecimento. Isso forçaria o racionamento para indústrias intensivas em energia e aumentaria os níveis já recordes de inflação impulsionados pela alta dos preços da energia, ameaçando mergulhar o bloco de 27 países em recessão.

Enquanto os governos da União Europeia aprovaram uma medida esta semana para reduzir o uso de gás em 15% e aprovaram cortes de impostos e subsídios para aliviar uma crise de custo de vida, a Europa está à mercê da Rússia e do clima.

Um inverno frio, quando a demanda por gás natural dispara, pode reduzir os níveis de armazenamento que os governos agora estão se esforçando para preencher, mas que se tornou infinitamente mais difícil pelos cortes da Rússia.

“Com a oferta de gás da região agora reduzida e a inflação definida para permanecer alta por algum tempo, a zona do euro provavelmente entrará em recessão”, disse Michael Tran, economista assistente da Capital Economics, em uma análise nesta semana.

Embora o Banco Central Europeu tenha começado a aumentar as taxas para diminuir a inflação, ele ficou atrás de outros bancos centrais, como o Fed e o Banco da Inglaterra, em tornar o crédito mais caro, temendo o impacto descomunal da disparada dos preços da energia ligada à guerra.

O impacto do recente aumento da taxa de juros do BCE sobre a inflação foi “muito limitado, embora aumente ainda mais o resfriamento da demanda na zona do euro”, escreveu Colijn, do ING.

“Com uma recessão se aproximando e a inflação atingindo novos máximos, a questão é como o BCE responderá a uma economia que já está esfriando”, disse ele. *AP/France24

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: