ELN decreta “Greve Armada Nacional” e pede que colombianos não saiam de casa

ELN decreta “Greve Armada Nacional” e pede que colombianos não saiam de casa

O Exército de Libertação Nacional (ELN), último grupo guerrilheiro ativo na Colômbia, chamou neste domingo de “greve armada” de três dias a partir de quarta-feira , medida com a qual ameaça restringir a mobilidade da população, que o governo colombiano descreveu como uma tentativa de “criar medo”.

“Contra [o presidente Iván] Duque e seu mau governo, o Exército de Libertação Nacional [ELN] decreta uma greve armada em todo o território nacional”, diz um comunicado, datado deste domingo, que circulou no WhatsApp e no Telegram.

A medida entrará em vigor, segundo os guerrilheiros, “das 6h00 do dia 23 de fevereiro às 6h00 do dia 26 de fevereiro de 2022”, sob a recomendação de “permanecer em suas casas ou locais de trabalho e evitar deslocamentos”.

O documento, sem as assinaturas de nenhum líder do grupo insurgente, não detalha como será aplicada a medida em que “a população só poderá se mobilizar” para “atividades funerárias ou emergências hospitalares”.

“As autoridades não poderão responder pelos efeitos que possam ocorrer aos veículos que desobedecerem à ordem de parada”, notifica o texto.

O ELN muitas vezes ameaça restringir a mobilidade das pessoas em suas áreas de influência e raramente decreta tal medida em toda a Colômbia. No entanto, tem pouca presença nas grandes cidades e uma estrutura federada que as divide em diferentes comandos.

Sua força de infantaria é estimada em cerca de 2.500 homens, que atuam principalmente na fronteira com a Venezuela e o Pacífico, estima o centro de estudos independente Indepaz. 

O ministro da Defesa, Diego Molano, descreveu a declaração como um ato que busca “gerar medo nos colombianos”, sem se referir ao seu alcance. 

O ELN tem “líderes covardes” que estão “escondidos na Venezuela”, de onde pretendem “organizar ações panfletárias para buscar gerar medo na Colômbia”, acrescentou.

“Nossa força pública está totalmente mobilizada, com todas as suas capacidades para garantir mobilidade e transporte”, disse.

O governo colombiano e a liderança militar denunciaram repetidamente que os principais líderes guerrilheiros do país estão escondidos na Venezuela com a proteção de Nicolás Maduro, o que o regime nega. 

Inspirado no revolucionário Ernesto ‘Che’ Guevara e na Teologia da Libertação, o ELN é o último guerrilheiro reconhecido na Colômbia após o acordo de paz assinado pelas FARC em 2016.

Duque interrompeu as negociações de paz que mantinha com os guerrilheiros após um ataque com explosivos a uma escola militar em Bogotá que deixou 23 mortos, incluindo o agressor, em 2019. *Informações AFP /NTN24 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: