Força Aérea dos EUA é condenada a pagar US$ 230 milhões por tiroteio em 2017

Força Aérea dos EUA é condenada a pagar US$ 230 milhões por tiroteio em 2017

Um juiz federal ordenou na segunda-feira que a Força Aérea dos Estados Unidos deve pagar mais de 230 milhões de dólares de indenização por danos e prejuízos aos sobreviventes e parentes das vítimas de um tiroteio ocorrido no Texas em 2017, por não ter comunicado os antecedentes criminais do autor do ataque.

Vinte e seis pessoas morreram e 22 ficaram feridas quando Devin Patrick Kelley abriu fogo em uma igreja de Sutherland Springs, Texas, em novembro de 2017, no maior tiroteio da história do estado.

Kelley, um criminoso condenado, tinha antecedentes de violência doméstica e problemas de saúde mental. Após o tiroteio, ele cometeu suicídio.

Parentes das vítimas e sobreviventes entraram na justiça contra o governo americano alegando que poderia ter impedido que Kelley adquirisse armas de fogo legalmente.

“O tribunal concluiu que o governo não demonstrou prudência razoável ao transmitir os antecedentes penais de Kelley ao FBI e que o governo era responsável por 60% dos prejuízos sofridos pelos demandantes”, afirma a sentença.

A Força Aérea não informou o FBI que Kelly havia sido condenado por violência doméstica quando estava alistado, o que permitiu ao atirador burlar o sistema de verificação de antecedentes para os compradores de armas.

A porta-voz da Força Aérea, Ann Stefanek, afirmou que a instituição vai recorrer contra a sentença, informou o jornal New York Times. *AFP

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: