Grupo de Hong Kong abre museu online sobre repressão na Praça da Paz Celestial

Um grupo de ativistas de Hong Kong abriu uma versão online de um museu que registra a repressão feita em 1989 pelo governo da China contra manifestantes pró-democracia em Pequim.

O grupo abriu quarta-feira o acesso público ao site, que exibe diversos tipos de material relacionados à repressão ocorrida na Praça da Paz Celestial em 4 de junho de 1989.

O acervo era exibido no Museu 4 de Junho, que o grupo havia inaugurado em Hong Kong em 2014. Mas os ativistas fecharam temporariamente o museu em junho último, depois de ter sido advertidos por autoridades do território de que o estabelecimento não dispunha da licença obrigatória para funcionar. Além disso, a polícia prendeu Lee Cheuk-yan, representante do grupo, e outros dirigentes por suas atividades de protesto.

O grupo trabalha agora na criação de uma base de dados com informações, registros dos acontecimentos e material do museu que foi fechado temporariamente, diante do risco de que suas atividades sejam proibidas no futuro. As mostras feitas online incluem fotos e descrições das manifestações estudantis e da atuação de militares no incidente de 1989.

A exibição online também apresenta fotos de objetos que estiveram à mostra no museu original. O grupo planeja publicar descrições da exibição online traduzidas em idiomas estrangeiros. Diz esperar que o público venha a utilizar o acervo à mostra como um registro permanente dos acontecimentos. *NHK

Categorias:Internacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.