Reino Unido desafia o Vale do Silício com nova geração de unicórnios da tecnologia

Depois de crescer dez vezes na última década, a  indústria de tecnologia do Reino Unido possui, atualmente, 91 unicórnios. Mas há outros 132 em construção, o que faria com que a região tivesse mais unicórnios do que Nova York, e quase a mesma quantidade que o Vale do Silício.

strongO secretário digital do Reino Unido, Oliver Dowden, visitou a Bloom & Wild uma das 132 futurecorns do Reino Unido/strong © Reprodução/Forbes strongO secretário digital do Reino Unido, Oliver Dowden, visitou a Bloom & Wild uma das 132 futurecorns do Reino Unido/strong

Um “unicórnio”, nesse caso, é uma empresa privada avaliada em pelo menos US$ 1 bilhão. No Reino Unido, o número de companhias que possuem esse status cresceu junto com o boom no investimento de capital de risco.

O montante investido em startups do Reino Unido foi de £ 1,2 bilhão (US$ 1,7 bilhão) em 2010 para £ 11,3 bilhões (US$ 16 bilhões) em 2020. O número de unicórnios saltou de dez para 81 no mesmo período.

Ironicamente, foi a pandemia que realmente impulsionou as startups do Reino Unido. O investimento em empresas de tecnologia na região quase dobrou entre outubro do ano passado e março de 2021. Muitos dos investimentos se originaram nos Estados Unidos, após alguns investidores se apaixonarem pelo Vale do Silício.

Entre abril de 2020 e de 2021, mais de 810 mil negócios foram registrados no Reino Unido, uma alta de 22% comparada ao mesmo período no ano anterior, segundo dados da agência governamental Companies House.

Outros 14 unicórnios foram gerados entre 2019 e 2020, um ano em que a maioria das empresas registrou uma queda, e não aumento das avaliações de mercado.

Mas é o valor de mercado cada vez maior das “futurecorns” (futuras unicórnios) ou empresas na faixa entre US$ 200 milhões e US$ 800 milhões que dará vantagem ao Reino Unido sobre Nova York, e desafiará o Vale do Silício nas apostas de unicórnios, segundo a Dealroom.co e a Digital Economy Council.

Enquanto o Reino Unido tem 91 unicórnios, a Dealroom.co, empresa que fornece dados sobre startups, estima que existem 132 futurecorns, o que – se o capital de risco fluir na taxa atual, darão à região um total de 223 unicórnios na próxima década.

Em comparação, Nova York é, atualmente, o lar de 98 unicórnios, e a área da Baía de São Francisco, de 334.

“Esses números mostram que o cenário de tecnologia no Reino Unido está crescendo, e estou feliz em ver tantos dos nossos aumentos em escala espetacular correndo para se tornarem as próximas empresas de US$ 1 bilhão”, disse Oliver Dowden, secretário digital da região.

Na última terça-feira (18), Dowden visitou a Bloom & Wild, uma das 132 futurecorns identificadas pela Dealroom.co (veja abaixo). Mas existem muitos obstáculos para que as futurecorns alcancem a meta de US$ 1 bilhão, incluindo o fim da pandemia global.

Queda nos valores da Airbnb e Deliveroo

Uma série de empresas de tecnologia, incluindo Zoom e Netflix, viu seus valores dispararem, já que pessoas ao redor do mundo que foram orientadas a ficar em casa confiavam nestas empresas para o trabalho e o entretenimento. Mas, como vários lockdowns foram abandonados, suas avaliações caíram.

As ações da Airbnb estão sendo negociadas a um valor mais baixo do que quando a empresa foi lançada. A locadora de férias foi, por um tempo, o maior unicórnio do mundo antes de ser listada na Nasdaq em dezembro. Da mesma forma, a Deliveroo, listada na Bolsa de Valores de Londres em abril, desde então viu o preço de suas ações cair.

No entanto, nem todos os unicórnios são iguais. “Um exemplo perfeito é o setor de alimentos”, diz Yoram Wijngaarde, fundador e CEO da Dealroom.co. “A área era offline, ao contrário da moda e dos eletrônicos. E então, neste ano, repentinamente mudou para o online.”

Segundo Wijngaarde, esta é uma área que continuará a crescer depois que a pandemia diminuir. “Você tem todas essas startups recebendo muito financiamento de capital de risco. Então, todos estão ficando mais ousados ​​para construir a infraestrutura. Eu acredito que essa aceleração vai continuar mesmo com o fim da pandemia.”

Outras indústrias de tecnologia vão seguir crescendo, com o exemplo óbvio das healthtechs. “Dado o ano que tivemos, não é surpreendente ver o setor de tecnologia da saúde ganhando terreno”, diz Andrew Elder, sócio da AlbionVC, uma empresa de capital de risco.

“As futuras healthtech unicórnios, atualmente em desenvolvimento no Reino Unido, transformarão a forma como tratamos e administramos as doenças em todo o mundo.”

As 15 maiores futurecorns do Reino Unido

A Dealroom.co nomeou 15 dos melhores futurecorns do Reino Unido – empresas privadas avaliadas em algo entre US$ 200 milhões e US$ 800 milhões – que, provavelmente, se tornarão unicórnios:

Zopa: um banco digital com sede em Londres.

Moonbug Entertainment: uma empresa de mídia especializada em entretenimento infantil.

Atom Bank: o primeiro banco exclusivamente digital do Reino Unido.

Wejo: um mercado de dados automotivos com base em Manchester.

Vashi: joalheiro especializado em anéis de noivado de origem ética e joias finas.

Gigaclear: um provedor de banda larga rural.

Bloom & Wild: uma empresa de entrega de flores online.  

Truphone: um provedor de software de conectividade móvel e digital.

Zilch: uma fintech compre agora, pague depois (BNPL).

Tripledot Studios: uma empresa de jogos para celulares.

Gryphon Group Holdings: uma insurtech especializada em seguros familiares.

Pollinate: uma fintech que fornece software bancário.

Agriproteína: empresa de agronegócio que cria proteína à base de insetos.

Bulbo: um fornecedor de energia renovável.

*Forbes Brasil

Categorias:Europa, Internacional, Tecnologia

Marcado como:,